Adeus ao sorriso amarelo.

 In Público em geral

Foi tão triste que não deu nem pra sorrir amarelo, não é mesmo Massa?

A ideia desse post é uma homenagem do ADORO SORRIR ao papelão do piloto brasileiro de Fórmula 1 – Felipe Massa, que foi “obrigado” pela equipe Ferrari a entregar a vitória ao companheiro de equipe, o espanhol Alonso neste domingo que passou.

A trama ficou evidente e tirou ainda mais a credibilidade de uma competição que a cada ano perde mais a sua esportividade. Nada mais difícil do que tentar justificar o injustificável – a atitude desleal dos envolvidos com os torcedores que prestigiam essas competições. Diante desse absurdo é melhor aprendermos a cuidar dos sorrisos amarelos…

Cigarro, café, remédios são algumas causas do escurecimento dos dentes. Há solução para boa parte dos casos.
Fonte: Jornal O Estado de S.Paulo – 21 de março de 2009

Entre os preparativos do casamento da gerente de vendas Érika Babetto Peres, de 34 anos, estava programado o clareamento dos seus dentes, o que seria feito um mês antes do grande dia. “Acho que o sorriso é o cartão de visita de uma pessoa.” Fez o primeiro clareamento há sete anos, pelo método caseiro. Há dois anos, recorreu ao tratamento no consultório e ficou bem satisfeita com o resultado. “Em julho do ano passado, refiz uma sessão porque queria estar com os dentes bem bonitos para o meu casamento.” Érika Baberro Peres: recorreu ao clareamento dentário pela segunda vez, antes de seu casamento.

O produtor Gustavo Avanza, de 26 anos, também submeteu-se ao tratamento. Trabalha em uma emissora de TV e, vira-e-mexe, fica na frente das câmeras. “Tive hipersensibilidade em um ou dois dentes, que foi resolvida com a aplicação de flúor.”

Sem dúvida, o desejo por uma boca perfeita tem aumentado nos últimos anos. Muito dessa procura deve-se à valorização da estética em geral e, principalmente, aos avanços tecnológicos, que oferecem resultados satisfatórios por um preço razoável. Atualmente, é possível encontrar desde pastas para uso caseiro até tratamentos mais elaborados, que devem ser realizados no consultório.
Segundo a dentista Patrícia Freitas, professora doutora da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo (USP), esse tipo de produto é apenas um auxílio para a remoção das manchas, por ter baixa concentração de peróxido de hidrogênio, substância que clareia os dentes, e pelo curto tempo de contato com a superfície do dente.
Há também as pastas com sílica hidratada, carbonato de cálcio e óxido de alumínio. A maior parte delas limpa a superfície do esmalte, dando a sensação de dentes mais claros. Seja lá qual for, todas devem ser utilizadas sob orientação do profissional, pois, se usadas diariamente e com uma escovação mais vigorosa, podem provocar desgaste no esmalte, o que é prejudicial ao dente, podendo, inclusive, causar amarelamento no futuro.

O conhecido clareamento caseiro, apesar de ser feito pelo próprio paciente em casa, é supervisionado do começo ao fim por um dentista, que faz um molde especial para cada pessoa, denominado moldeira, onde é depositado o gel que envolve o dente. O profissional orienta sobre a aplicação do produto e o tempo de permanência, e acompanha o andamento do tratamento. A professora doutora Ivete Jorge Abrahão, titular de endodontia da Universidade Metropolitana de Santos (Unimes), o recomenda para pessoas que necessitam de um clareamento suave, ou seja, que não possuem um escurecimento severo dos dentes. Também o indica como tratamento complementar, ou mesmo de manutenção, para aqueles que optaram pelo clareamento assistido, que é feito no consultório.

A vantagem de se fazer o clareamento no consultório é a rapidez. Normalmente, é realizado em duas sessões, pois a concentração do ativo clareador é mais alta e, muitas vezes, é acompanhado de laser ou LED, equipamentos que aquecem e ajudam a aumentar a eficiência da ação do agente clareador, destaca a professora Ivete. Alguns casos demandam mais sessões. Mas há também aqueles em que, com apenas uma aplicação, os dentes já ficam perfeitos.

Custo x benefício

O preço do sorriso branco varia bastante. Leva-se em consideração se o produto utilizado é nacional ou importado, a extensão do tratamento e o custo do profissional. A grosso modo, o do tipo caseiro varia entre R$ 300,00 e R$ 700,00, e o assistido, entre R$ 700,00 e R$ 1.500,00.
A promessa de que, em pouco tempo e com custo relativamente baixo, é possível abrir um “sorriso-piano” é realmente tentadora. No entanto, o clareamento não deve ser usado por quem não tenha as indicações para tal. Em primeiro lugar, é preciso – de fato – ter os dentes escurecidos, e não ter trincas, fissuras, cáries e sensibilidade na raiz, pois, quando indicado erroneamente, o tratamento pode gerar resultados indesejáveis. “Pode acontecer uma hipersensibilidade do dente e, em casos mais graves, a inflamação pulpar irreversível, com a necessidade do tratamento de canal (extração do nervo)”, alerta Ivete.
Por isso, os dentistas são unânimes: “a indicação do tratamento deve ser feita após uma adequada anamnese, exame clínico e radiográfico do paciente. Somente um dentista poderá avaliar a possibilidade sem riscos”, diz a profissional Patrícia Freitas.

Quando o escurecimento ocorre em um só dente, em decorrência de um canal realizado ou de um trauma que tenha levado à calcificação, é possível fazer o clareamento interno, que consiste na aplicação da substância clareadora dentro do dente. Há restrição do tratamento dentário somente para as gestantes, que não devem ter contato com diversos medicamentos, para prevenir danos à saúde do bebê.
A grande dúvida é se o clareamento causa ou não danos aos dentes. “Se realizado sob a supervisão de um profissional que tenha conhecimento teórico e prático, não. Porém, o uso excessivo, seja por exposição prolongada ou pela aplicação do produto clareador com muita frequência, pode danificar a estrutura do esmalte e até causar algum estrago irreversível à polpa (nervo) do dente”, alerta a dentista Patrícia, explicando que tal efeito pode levar ao escurecimento do dente a longo prazo.

Durante o tratamento, é comum o paciente sentir hipersensibilidade em um ou mais dentes, o que é facilmente solucionado com a aplicação tópica de flúor. O resultado do clareamento é subjetivo, porque cada paciente responde de forma diferente.
A duração do efeito varia de pessoa para pessoa: está diretamente relacionada aos hábitos, como consumo de alimentos capazes de pigmentar a superfície dentária e o fumo. “Há pacientes que procuram novo tratamento em seis meses, e outros que o realizam após três ou quatro anos”, fala Patrícia. O indicado é que, após o clareamento, se faça a manutenção com géis de baixa concentração e, em alguns casos, com as próprias pastas clareadoras, sempre orientado por um profissional.

Aparelhos para gente grande

Os principais motivos que levam adultos a recorrerem ao tratamento ortodôntico são: correção da posição dos dentes – e, consequentemente, melhora na estética -, e a presença de desconforto e dor na Articulação Têmporo-Mandibular (ATM), o que pode comprometer mastigação, concentração, lazer, etc. De acordo com o dentista João Batista de Paiva, professor associado da disciplina de ortodontia da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo (USP), a movimentação dentária induzida pelo tratamento ortodôntico é discretamente mais lenta no adulto. Em média, leva-se 30 meses para a obtenção do resultado.

Não há contra-indicação para o uso de aparelhos dentários em adultos. O que muitas vezes impede o seu uso é a presença de um implante, porque este limita a movimentação dos dentes.
O tipo de aparelho mais frequente é o fixo, seja de porcelana ou de metal. “Proporciona maior controle sobre a movimentação dos dentes, mas há casos de má-oclusão menos complexa em que o aparelho removível está indicado”, diz o especialista. Entre os aparelhos removíveis, o invisalign, conhecido como alinhador, é o que oferece melhor resultado. Uma opção para os mais vaidosos é o fixo não metálico, também conhecido como aparelho estético.
Assim, se o objetivo for endireitar os dentes na fase adulta, saiba que há recursos que alcançam com eficiência os resultados esperados. O mais importante é, no primeiro momento, consultar um profissional para fazer um planejamento adequado.

Prof. Rodrigo Guerreiro Bueno de Moraes
Cirurgião-Dentista | Mestre em Odontologia pela Universidade Paulista | Membro da Sociedade Brasileira de Periodontia e da American Academy of Periodontology.

Recent Posts