Como tratar a gengivite? Confira 5 cuidados importantes

 In Gengiva

Como o próprio nome nos revela, a gengivite é uma inflamação da gengiva, causada pela placa bacteriana quando ela gruda na superfície dos dentes. O problema se desenvolve principalmente quando a higiene bucal não é realizada de forma correta.

Se essa enfermidade não receber a devida atenção e cuidado, pode evoluir para a doença periodontal, que afeta também os tecidos ao redor dos dentes, responsáveis pela sua sustentação. O agravamento do quadro faz com que a gengiva se retraia. A consequência? Você pode até mesmo perder o sorriso lindo que tem.

Para que a situação não chegue a esse ponto, este post vai explicar como prevenir e tratar a gengivite, além de listar 4 cuidados importantes para alcançar esse objetivo. Confira!

Identificando a gengivite

Como já mencionamos, na maioria dos casos, a gengivite resulta do acúmulo da placa bacteriana, gerada por uma higiene bucal precária ou feita de forma incorreta. A placa é composta por resíduos, muco e bactérias dos alimentos. Tem aspecto esbranquiçado e parece estar “grudada” nos dentes.

Se um material com essas características for detectado em seus dentes, é sinal de que a gengivite está presente. Outra forma de identificar a infecção é prestando atenção aos sintomas e consultando um dentista para avaliá-los. Abaixo, vamos listar todos os sinais do problema.

Os sintomas

Em todas as questões de saúde, é preciso estar de olho nos sintomas, para mensurar se está na hora de procurar um especialista. Com a gengivite não é diferente, qualquer anormalidade na boca deve servir de alerta. Confira os indícios mais comuns:

  • quando acometidas pela inflamação, as gengivas mudam de característica: ficam inchadas, vermelhas e muito sensíveis;
  • essa vulnerabilidade, muitas vezes, se manifesta na forma de sangramento;
  • se a doença estiver avançada, outro aspecto possível nas gengivas é que elas estejam mais recuadas, afastadas do dente;
  • o pus também pode estar presente em casos críticos;
  • os dentes, por sua vez, podem ficar um pouco soltos;
  • todas as alterações acabam deixando o paciente com mau hálito ou gosto ruim na boca;
  • outro sinal que pode aparecer, eventualmente, é a dor nos dentes ou na gengiva.

Se o corpo apresentar um ou mais desses indícios, a atitude mais indicada é procurar um dentista. Só ele pode avaliar e diagnosticar corretamente a gengivite.

Possíveis consequências da gengivite

É importante ressaltar que, se não for tratada, a inflamação pode evoluir para enfermidades mais graves. Uma das consequências mais comuns do acúmulo da placa bacteriana, inclusive, são as cáries.

Outro problema, caso ela não seja removida, é o possível desenvolvimento que a odontologia chama detártaro. Material rígido que se deposita nos dentes, formado por um acúmulo de bactérias e resíduos, que acaba causando irritação, inchaço e o aumento da sensibilidade nas gengivas.

Além de tudo isso, o progresso da gengivite na boca pode causar a periodontite. Trata-se de uma inflamação mais desenvolvida. Ela atinge os tecidos que fixam os dentes e pode levar à perda deles.

Por conta dos riscos, saber como evitar e tratar a doença é muito necessário.Só uma saúde bucal em dia pode manter esse e outros problemas bem longe. A seguir, vamos mostrar 4 cuidados para a prevenção da gengivite:

1. Escovação eficiente e o uso correto do fio dental

Já mencionamos acima a importância da higiene bucal. Essa recomendação não é exagerada. Para evitar o acúmulo da placa bacteriana que se instala nos dentes e causa essa e outras doenças, é preciso escovar muito bem os dentes.

O ideal é que o processo seja feito ao menos três vezes ao dia, após as refeições, ou pelo menos a cada 5 ou 6 horas, sem pressa. Para um melhor resultado, recomendamos uma escova de cerdas macias e cabeça pequena. A suavidade vai realizar a limpeza sem machucar a gengiva, o que causa retração, enquanto que o tamanho da escova vai permitir alcançar os dentes posicionados em locais de difícil acesso.

Não se esqueça também de passar o fio dental uma vez ao dia, só ele retira resíduos de alimentos que se escondem entre os dentes e podem formar a placa. Finalize com um enxaguante bucal antisséptico. Consulte um especialista para saber qual o mais adequado para você.

2. Boa nutrição

Em primeiro lugar, evite ao máximo alimentos e bebidas doces. Eles são um veneno para os dentes e é o tipo de comida que gruda mais resíduos na boca, tornando-se mais difícil de tirar durante a higienização, além de serem os preferidos das cáries.

Procure manter uma alimentação equilibrada e saudável. A gengivite é uma inflamação, portanto, para o organismo conseguir combater esse tipo de doença, ele precisa estar fortalecido e bem nutrido, produzindo bons anticorpos.

Consuma legumes, verduras e proteínas ricos em vitaminas. Além disso, aposte em alimentos com benefícios extras:

  • a cenoura crua é capaz de raspar a placa bacteriana dos dentes quando mastigada;
  • o pepino previne o mau hálito e tem propriedades fitoquímicas capazes de evitar diversas doenças bucais;
  • já a acelga contém vitaminas que conseguem neutralizar o ácido da boca, evitando aftas, o que ajuda na coagulação e na cicatrização da região;
  • fatias de cebola crua tem a capacidade de matar bactérias;
  • enquanto o chá-verde tem propriedades anti-inflamatórias;
  • as maçãs possuem fibras capazes de “escovar” os dentes.

3. Distância do cigarro

Todos sabem o quanto o cigarro pode ser maléfico e que ele prejudica diversos órgãos do corpo. A boca tem contato direto com a fumaça e pode ser umas das regiões mais afetadas.

O fumo diminui a capacidade que o corpo tem de combater inflamações e, ainda, atrasa o processo de cicatrização. Deixe ele bem longe da sua gengiva!

4. Visitas regulares ao dentista

Só esse profissional pode fazer um diagnóstico preciso e indicar os tratamentos corretos. Por isso, consulte-se regularmente. O dentista também realiza uma limpeza profissional, eliminando ou diminuindo a placa bacteriana e o tártaro. Esse procedimento complementa a higiene diária, eliminando todos os resíduos que causam doenças.

Essas medidas funcionam para prevenir a gengivite, mas e se a pessoa já estiver com esse problema? Neste caso, a dica acima é ainda mais importante. Ela precisa de ajuda profissional e de alguns dos tratamentos abaixo:

Raspagem supragengival

Esse procedimento é feito pelo dentista, em seu consultório, para retirar toda a placa de tártaro presente. O instrumento raspador retira esse material da gengiva e dos dentes, possibilitando que ela se recupere e a inflamação vá embora.

Depois, a superfície do dente é alisada, planificada, para que o tecido da região possa cicatrizar corretamente.

Medicamentos para tratar a gengivite

Dependendo do quadro, o dentista pode considerar necessário prescrever remédios que ajudam o corpo a controlar a infecção. Eles podem ser de uso tópico, aplicado diretamente na pele, em cima das gengivas inflamadas, ou, então, de ingestão via oral: comprimidos ou gotas.

O importante é que o profissional realize os tratamentos necessários. Ele vai recomendar também outros cuidados que você deve seguir em casa para higienizar a gengiva, colaborar para a cicatrização dela, orientar quando deve acontecer a próxima consulta etc. Se todas a indicações forem seguidas corretamente, a gengivite vai embora e o sorriso do paciente volta a ser saudável.

Restou alguma dúvida sobre como tratar a gengivite? Compartilhe com a gente nos comentários!

Recent Posts

Leave a Comment