Estudos revelam que escovar os dentes e mascar chicletes podem ajudar a prevenir doenças cardíacas

 In Público em geral

Doenças de coração não têm nada a ver com escovar os dentes, certo? Errado! Você sabia que um estudo feito pela American Academy of Periodontology (AAP), deixou claro que a doença cardiovascular mata mais do que o câncer?

O estudo levantou também que, enquanto a maioria das pessoas conhece os efeitos das escolhas de estilo de vida – como comer bem, fazer exercício suficiente e parar de fumar – elas não sabem que apenas escovar os dentes e passar fio dental regularmente nos espaços entre os dentes pode evitar problemas cardiovasculares.

A doença acontece quando as toxinas da infecção bacteriana crônica que afeta as gengivas e o osso que suporta os dentes, chamada pelos dentistas de doença periodontal, agem diretamente nas paredes dos vasos sanguíneos de todo o corpo.

?Isso altera o metabolismo das gorduras no sangue, o que facilita a ocorrência de doenças cardíacas e vasculares, portanto é fundamental escovar os dentes após cada refeição?, completa o consultor científico da Associação Brasileira de Odontologia e da TePe, Rodrigo Guerreiro Bueno de Moraes.

O dentista, que escreve também para o blog Adoro Sorrir, no www.tepe.com.br, indica boa escovação e a visita regular ao dentista. ?Uma dica muito bacana é trocar a escova regularmente, pois com o uso, as cerdas desgastam e perdem sua eficiência?, revela.

Guerreiro conta que outro artigo, publicado na introdução do Journal of Periodontology (JOP), a publicação oficial da AAP, revelou que pacientes com doença periodontal derivada do acúmulo de bactérias sobre os dentes e nos espaços entre eles e as gengivas, além do risco para as perdas de suporte ao redor dos dentes ou de periodontite, podem apresentar um risco aumentado de desenvolver doença cardiovascular.

Para o PhD em periodontologia Kenneth Kornman, da AAP, os resultados desta nova análise de estudos publicados sugerem que o efeito a longo prazo da periodontite crônica, podem ser um diferencial que acaba por conduzir as pessoas às doenças cardiovasculares.

?Um exemplo disso é a exposição prolongada a bactérias bucais e substâncias inflamatórias liberadas pela guerra travada entre as bactérias e as defesas de cada organismo?, explica.

Na universidade americana de Harvard, pesquisadores identificaram onze estudos que examinaram o nível da exposição bacteriana na corrente sanguínea dos pacientes com doença cardíaca e periodontal, procurando especificamente a presença da bactéria associada à doença, bem como avaliar vários indicadores biológicos de exposição à bactéria.

Eles descobriram que os indivíduos com doença periodontal que apresentaram maior quantidade de tipos específicos e prevalentes de bactérias bucais são mais propensos a desenvolver doença cardíaca coronariana ou arterosclerose, por exemplo: ?A formação de placas nas artérias significa um importante fator de risco para o infarto e o Acidente Vascular Cerebral (AVC)?, esclarece Guerreiro.

De acordo com Susan Karabin, presidente da AAP, apesar de mais pesquisas serem necessárias para compreender melhor a ligação entre doença periodontal e doença cardiovascular, os recentes estudos sugerem a importância de tomar o máximo de cuidado com dentes e gengivas para prevenir doenças e cuidar do coração.

?Como o número de pessoas com doenças cardíacas continua a aumentar, é importante compreender que atividades simples podem ajudar a reduzir o risco de doenças sistêmicas?, alerta.

Além da escova, chicletes

Ao contrário do que se pensa, a goma de mascar não é uma vilã da boca saudável e o consumo de chiclete sem açúcar pode trazer alguns benefícios à saúde bucal.

Para o pesquisador e professor da Universidade de Campinas (Unicamp) Jaime Cury, o processo de mastigação da goma aumenta em até dez vezes a produção de saliva.
?Isso ajuda a neutralizar os ácidos, principalmente aqueles produzidos após a ingestão de carboidratos fermentáveis presentes no pão, bolos e doces e neeutraliza a ação de alimentos excessivamente ácidos?, explica.

Além disso, a saliva estimulada pela mastigação atua também como um mecanismo natural de reparação do dente, já que ajuda na remineralização das manchas brancas, que pode reverter o processo de cárie.
?Para completar, ainda elimina da boca os compostos responsáveis pelo mau hálito, com efeito que pode durar até três horas.

No entanto, para garantir os benefícios, o chiclete deve ser mastigado por 20 minutos, três vezes ao dia, de acodo com as pesquisadoras Livia Tenuta e Cínthia Tabchoury, da Associação Paulista dos Cirurgiões-Dentistas.

Bueno lembra que as gomas de mascar modernas que dispõe de xylitol na composição, que é o caso das versões ?sugar free? podem auxiliar a dentição, embora não substituam a higiene bucal correta e a visita rotineira ao dentista.

Ele alerta que o consumo excessivo dos chicletes também não é benéfico.

?O abuso pode trazer repercussões gástricas e intestinais aos que abusam desse hábito e deveriam se aconselhar com seus gastroenterologistas?, recomenda.

Para ele, balas e gomas de mascar açucaradas não fazem mais sentido para o consumo das gerações atuais e deveriam ser vistas e tratadas como problemas de saúde pública pelos orgãos de lesgislação.

Fonte: O FLUMINENSE

Recent Posts