Existe relação entre a doença periodontal e câncer de mama?

 em Oncologia, Profissionais da saúde, Público em geral

Estudos realizados por cientistas apontam que pode haver relação entre a doença periodontal e um risco maior de câncer de mama. Nas pesquisas, estatísticas apontaram que a incidência da doença é maior em mulheres que tiveram doenças periodontais e, principalmente, naquelas que perderam dentes. Não se conhecem ainda todas as causas que podem estar na origem dessa relação, mas como a principal arma contra o câncer é a prevenção, é importante entender melhor sobre o assunto. Acompanhe o post de hoje:

O que é doença periodontal?

De origem bacteriana, é uma doença infecto-inflamatória comumente relacionada à perda dental. Ela acomete os tecidos de suporte e sustentação dos dentes e se caracteriza por um conjunto de condições inflamatórias, geralmente de caráter crônico, que leva à perda de inserção do ligamento periodontal e à destruição dos tecidos ósseos adjacentes. Os principais responsáveis por isso são os micro-organismos presentes na placa bacteriana dental.

Vale lembrar que a doença periodontal tem seu desenvolvimento mais acelerado em pacientes fumantes, diabéticos ou imunossuprimidos.

Como evitar a doença

A principal forma de evitar as doenças periodontais é combatendo as bactérias que formam a placa bacteriana, uma película que se forma ao redor da linha das gengivas e sobre a superfície dos dentes. A alimentação tem grande influência nesse aspecto: os açúcares e amido que ingerimos são decompostos pelas bactérias e transformados em ácidos e substâncias tóxicas capazes de corroer os dentes e descolar a gengiva.

A higienização adequada da boca com uma escova e pasta apropriadas, além do correto uso de fio dental, são indispensáveis para evitar a doença periodontal. Confira nosso post sobre higiene bucal.

Relação entre doença periodontal e câncer

Um estudo realizado no Instituto Karolinska, na Suécia, apontou que a probabilidade de câncer de mama em pessoas que têm ou tiveram doenças periodontais é onze vezes maior em comparação às pessoas que não tiveram. Cientistas acreditam que isso pode se dar pelo fato de que a inflamação associada ao câncer é similar à vista em inflamações crônicas.

Na doença periodontal, em resposta à microbiota subgengival, há a liberação de uma série de enzimas e mediadores inflamatórios que podem levar à degradação dos tecidos. O desenvolvimento do câncer pode ser estimulado quando células inflamatórias são recrutadas para dentro de processos neoplásicos, liberando fatores que podem atuar na supressão de um tumor através de estímulo da resposta imune antitumoral.

O resultado da pesquisa apontou também que 5,5% dos participantes com doença periodontal e um ou mais dentes molares perdidos desenvolveram câncer de mama contra 0,5% dos que não perderam nenhum molar.

Outra explicação para a relação entre a má saúde bucal e o risco de câncer pode se dar pelos níveis de vitamina D no organismo. A presença de placa bacteriana pode indicar baixos níveis de vitamina D, o que também está relacionado com o aumento de risco de vários tipos de câncer. Indivíduos com grande número de bactérias na boca também possuem níveis superiores de nitrosaminas em sua cavidade bucal, substâncias consideradas cancerígenas.

Câncer de mama

O câncer de mama é o que mais causa mortes entre as mulheres no Brasil e a principal forma de combate se dá pela detecção precoce da doença. As formas mais eficazes para isso são o exame clínico da mama e a mamografia, que é uma radiografia realizada em aparelho apropriado, onde a mama é comprimida de forma a fornecer imagens para o diagnóstico. O desconforto causado pelo exame é discreto e bem suportável. Mulheres a partir dos 35 anos devem estar sempre atentas com esses procedimentos, pois a incidência do câncer de mama é maior acima dessa faixa etária.

Tem alguma dúvida sobre o assunto ou algum ponto a acrescentar? Deixe no espaço para comentários!

Publicações recentes

Deixe um comentário