Hora de apagar essa mancha da profissão.

 In Profissionais da saúde

É isso o que essas empresas do segmento, que “vendem” sonhos, ao invés da odontologia baseada em evidências prestam de serviço a nossa profissão?

Só no dia de hoje recebi mais de 10 ligações de pessoas próximas indignadas com as constantes aparições dessa e de outras “marcas” nas páginas policiais ou em notas desfavoráveis de outros capítulos jornalísticos. São essas “mancadas de grande porte” que prejudicam a postura séria dos que conduzem a atividade com idoneidade.

Que os representantes da empresa citada e das entidades de classe apurem e atuem, de forma digna, perante os pacientes atingidos por mais essa vergonhosa história de pouco caso com o nome da profissão e o bem estar das pessoas.

Imbra atrasa salários e fecha as portas
16 de setembro de 2010 | 11h10

Nesta semana, os clientes de São Paulo que compareceram a clínicas da empresa de implantes dentários Imbra encontraram as portas fechadas e bilhetes evasivos: na Lapa, a alegação era de problemas de energia elétrica; em Santana, o prédio passaria por manutenção. Mas essas e outras unidades da Imbra não abriram por outro motivo: o atraso nos salários dos funcionários, que decidiram não trabalhar sem pagamento.
Apesar dos problemas, a central de atendimento da companhia agendava novos procedimentos para a semana que vem. O grupo Arbeit, que controla a empresa de implantes dentários, não respondeu aos pedidos de entrevista feitos pelo Estado.
Mas enviou nota dizendo que os atrasos nos pagamentos seriam acertados e prometendo a reabertura das unidades ? algumas fechadas desde sábado ? para hoje.
Entretanto, nas clínicas, funcionários afirmaram que a reabertura poderia ocorrer somente amanhã. Empregados da Imbra dizem que a empresa vem prometendo a solução dos atrasos desde sexta-feira. ?Recebemos o último pagamento no dia 6 de agosto?, afirmou uma funcionária. A greve não declarada que fechou unidades paulistanas da Imbra ? segundo apurou a reportagem, somente a do Shopping Aricanduva funcionou ? é mais um capítulo de uma história conturbada.
Nascida com a proposta de popularizar o tratamento odontológico, a companhia tem seus métodos de venda questionados pelo Procon e pelo Conselho Regional de Odontologia (CRO). No fim de 2008, o órgão de defesa do consumidor emitiu alerta recomendando cautela na contratação dos serviços da Imbra. Já a entidade de classe a repreendeu publicamente ? com publicação de nomes no Diário Oficial da União ? e aplicou multas a dentistas que trabalham para a empresa.
Segundo Ideval Serrano, presidente da Comissão de Ética do CRO-SP, os dentistas que trabalham na Imbra e em outras empresas semelhantes ferem o código da profissão por mercantilizarem o tratamento odontológico. ?O código de ética proíbe a divulgação de forma de pagamento e de vantagens econômicas?, explica.

Reclamações
Entre os clientes da empresa, existem reclamações de tratamentos já pagos e não efetuados. O taxista Marcellus Alexandre Rodrigues compareceu ontem à unidade Imbra da Lapa e encontrou as portas fechadas. Ele pagou em 36 vezes de R$ 172 um plano para a esposa fazer três implantes dentários. Já terminou de pagar, mas nem metade dos serviços prometidos no contrato foi realizada. ?Fui atraído pela facilidade de pagamento e acreditei na propaganda do serviço deles?, conta.
Os clientes mais antigos afirmam que a qualidade do atendimento da Imbra piorou ao longo do tempo. Isso fica evidente nos números do Procon sobre a empresa. Entre 2007 e 2008, o número de queixas no órgão contra a empresa passou de 5 para mais de 100. Em 2009, foram mais de 150 reclamações. (Fernando Scheller)

Prof. Rodrigo Guerreiro Bueno de Moraes
Cirurgião-Dentista | Mestre em Odontologia pela Universidade Paulista | Membro da Sociedade Brasileira de Periodontia e da American Academy of Periodontology

Recent Posts