O enxaguante bucal é realmente importante?

 In Boca seca, Público em geral

Há muitas controvérsias relacionadas ao uso do enxaguante bucal. Alguns acham que esse item é desnecessário na escovação diária, outros já acreditam que o enxaguante bucal é o melhor instrumento para manter a boca limpa e sem bactérias, abrindo até mão da escovação e do fio dental.

O que é verdade, afinal? Qual o papel que o enxaguante bucal tem na escovação? Vamos esclarecer tudo aqui no post! Confira!

Todo enxaguante bucal tem a mesma função?

Existem diversos tipos de enxaguantes bucais e cada um deles tem um objetivo diferente. Confira quais são os principais:

Soluções fluoretadas

Os produtos com flúor beneficiam o usuário prevenindo a cárie e a perda de minerais da camada mais externa do dente. Esse componente se junta ao esmalte, formando uma camada protetora mais eficaz. É indicado para uso diário, pois não causa mancha nos dentes. Também é um ótimo recurso para quem usa aparelho, por exemplo, e tem mais chance de acumular bactérias causadoras de cáries.

Antissépticos

Os enxaguantes considerados antimicrobianos são aqueles ricos em Gluconato de Clorexidina. O ingrediente é capaz de fornecer um controle químico da placa bacteriana, de forma mais potente do que os ricos em álcool. Sua função é necessária para pacientes que precisam de um controle muito rígido da flora bacteriana.

Enxaguante clareador

Há também enxaguantes que prometem clarear os dentes amarelados. Mas, a maioria dos dentistas alerta que eles não proporcionam um resultado satisfatório.

Quando o enxaguante é um medicamento?

enxaguante bioxtra, por exemplo, é prescrito para pacientes com boca seca, um efeito adverso comum da quimioterapia e da radioterapia em cabeça e pescoço. O sintoma também pode ser provocado por doenças autoimunes como a Síndrome de Sjögren. O enxaguante bioxtra possui uma fórmula que lubrifica a cavidade oral, ajudando a proteger contra a cárie e as doenças gengivais.

O dentista também pode recomendar algumas aplicações dos antissépticos para pessoas que estão tratando de gengivite. O líquido com essa característica desinfeta o local ajudando no combate à inflamação e na retirada da placa bacteriana.

Em casos de pacientes no pós-operatório, que acabaram de realizar alguma cirurgia bucal, os antissépticos também podem ser úteis. Nessas situações devemos tomar todo o cuidado para que nenhuma bactéria se instale e infeccione o local.

O enxaguante bucal pode fazer mal?

Como qualquer outro produto, o enxaguante bucal pode trazer danos para a sua saúde quando usado incorretamente e em excesso. O tipo e tamanho do prejuízo vai depender dos componentes da fórmula.

Os fluoretados, apresentados acima, são o que possuem menos contraindicações. Eles não contém ingredientes que podem fazer mal à saúde bucal. Mas, se o flúor for ingerido pode irritar o estômago ou causar dor de barriga. Por essa razão não é recomendado para crianças. É melhor só ser usado por jovens e adultos, tomando cuidado para não engolir o líquido.

Os que contêm gluconato de clorexidina só devem ser utilizados quando prescritos por um dentista para complementar algum tratamento. O fato de serem antissépticos faz com que matem todas as bactérias da boca, inclusive as boas e essenciais para um bom processo de digestão.

Eles também deixam os dentes mais porosos, porque causam a corrosão do esmalte. Assim, ficam mais vulneráveis ao escurecimento e a diversos problemas bucais, como a sensibilidade excessiva.

Alguns tipos ainda ressecam a mucosa oral e pioram o mau hálito, como os que contêm álcool, que detalharemos melhor abaixo. Outros provocam manchas nos dentes quando usados por um período longo ou alteram a cor das restaurações de resinas.

Como o enxaguante bucal deve ser usado?

Em geral, deve-se colocar cerca de 20 mL de enxaguante bucal na boca, bochechar por cerca de 30 a 45 segundos para que o produto entre em contato com todos os dentes e, então, cuspi-lo. Não há necessidade de enxaguar posteriormente com água, já que ele continua agindo por mais alguns minutos.

O mais indicado é fazer o bochecho à noite, antes de dormir, quando a salivação diminui e o líquido consegue ficar mais tempo na boca. Há pessoas que gostam de repetir o processo duas vezes ao dia, para refrescar o hálito. Essa frequência maior só é indicada para os fluoretados.

Fique atento: essas recomendações gerais não são válidas para todos os enxaguantes. É importante e seguir as orientações do seu dentista sobre como usá-lo e também ler as instruções da embalagem.

Como escolher o melhor enxaguante bucal?

Os enxaguantes bucais podem ser comprados sem receita, mas só devem ser utilizados sob orientação do dentista para que não haja o risco de erros de uso ou efeitos colaterais. Para descobrir qual o melhor enxaguante bucal para você é necessário marcar uma consulta e passar por uma avaliação.

Se o profissional identificar algum problema que demande um tipo específico do líquido, vai prescrever o correto. No caso daqueles que pretendem usar apenas para melhorar o hálito e a higiene diária, o melhor é optar pelos fluoretados.

O enxaguante bucal substitui a escovação?

Com exceção dos enxaguantes com clorexidina, que podem substituir apenas em casos específicos por um período de tempo curto, todos os outros enxaguantes devem apenas complementar a escovação e o uso do fio dental, sem jamais substituí-los.

Por essa razão, mesmo quando bater aquela preguiça de escovar os dentes direito, lembre-se que só a escova e o fio dental conseguem realizar uma limpeza mecânica dos dentes e evitar o acúmulo de placas bacterianas, cáries, gengivites, sangramentos, sensibilidade nos dentes etc .

É a melhor solução para o mau hálito?

Para aqueles que estão sofrendo com o mau hálito, o enxaguante bucal pode até proporcionar um alívio temporário e evitar constrangimentos nas atividades sociais e profissionais. Porém, o problema é sintoma de alguma enfermidade, sinal de que um aspecto da saúde bucal não vai bem.

Apenas mascarar o mau hálito não resolve nada. É preciso visitar um dentista para saber a origem desse incômodo. Além disso, alguns tipos de enxaguantes podem até piorar a situação, como os que contém álcool.

O enxaguante bucal com álcool é prejudicial?

Todos os tipos citados anteriormente podem ter álcool ou não na composição, depende do fabricante. O mais indicado é optar pelos enxaguantes sem essa substância, pois ela desgasta o esmalte dos dentes, deixando-os mais porosos e mais escuros , ainda, resseca a boca.

Essa recomendação serve para todas as bebidas e produtos para a boca, pois o álcool é um inimigo da saúde bucal. Além de perigoso, é desnecessário. Há fórmulas de enxaguantes que não possuem esse ingrediente e são tão eficazes quanto as outras.

Existe também um mito de que não se deve usar enxaguantes com álcool por que ele seria detectado no bafômetro. O aparelho avalia o ar que sai de dentro dos pulmões e não da boca, não havendo o risco da substância estar presente no ar pulmonar depois de um bochecho. Além disso, a quantidade de álcool contida nesse tipo de produto é muito pequena para ser detectada pelo teste.

A razão que deve motivar as pessoas a não escolherem enxaguantes com álcool é a preservação da camada protetora dos dentes e a garantia da saúde bucal.

Aprendeu tudo sobre enxaguantes bucais? Se ainda tiver alguma dúvida, é só deixar um comentário!

bioxtra_post

Recent Posts

Leave a Comment