O que doença de Alzheimer e doença periodontal tem a ver?

 In Profissionais da saúde, Público em geral

A doença de Alzheimer é a mais frequente forma de demência em pessoas acima de 65 anos. A patologia neuro-degenerativa, que muitas vezes começa com a perda de memória recente, provoca o declínio das funções intelectuais, como orientação no tempo e no espaço, aprendizado, linguagem, comunicação e até a capacidade de realizar tarefas cotidianas.

Esse declínio é progressivo, irreversível e interfere no comportamento, na capacidade de julgamento e na personalidade dos pacientes, reduzindo suas capacidades de trabalho e suas relações sociais. Existem tratamentos capazes de minimizar os sintomas, mas ainda não foi encontrada a cura definitiva para a doença.

Mas o que isso tem a ver com a saúde bucal? Estudos recentes indicam que há uma relação dessa doença com as doenças periodontais, mas vamos explicar melhor.

O que é doença periodontal?

Causada por micro-organismos presentes na placa bacteriana, a doença periodontal é a principal causa de perda dental, já que afeta os tecidos de suporte e sustentação dos dentes. Esse tipo de doença geralmente tem caráter crônico e caracteriza-se pelas inflamações que se dão nas gengivas e afetam a estrutura dos dentes.

Pode ser evitada através de uma higienização adequada e do cuidado com os hábitos alimentares.

Qual a relação entre Alzheimer e doença periodontal?

A Periodontia, ciência que previne, diagnostica e trata doenças das gengivas e dos tecidos de sustentação dos dentes, tem direcionado seus estudos na busca da relação entre a doença periodontal e os possíveis agravos que pode trazer à saúde sistêmica.

Sabe-se que as enzimas e os mediadores inflamatórios envolvidos na dinâmica da doença periodontal não se limitam a agir na cavidade bucal e podem provocar quadros infecciosos e inflamatórios em outras regiões.

As bactérias presentes nas inflamações da boca podem chegar à corrente sanguínea e alcançar outras partes do corpo, inclusive o cérebro, causando respostas inflamatórias capazes de levar à destruição de neurônios. Estas inflamações, por sua vez, provocam problemas de memória e demência.

Em outras palavras, uma inflamação na gengiva pode enviar toxinas ao cérebro,intensificando o processo de desaceleração típico da doença de Alzheimer. Isso porque as bactérias desencadeiam uma resposta do sistema imune, o que mata células cerebrais e ocasiona alterações na região.

Um estudo feito pela UClan, do Reino Unido, comparando amostras de 10 pacientes com demência e 10 outros que não desenvolveram a doença de Alzheimer, apontou que na análise foi possível perceber a presença da bactéria Porphyromonas Gingivalis nos cérebros afetado pelo Alzheimer. Essa bactéria normalmente é encontrada na cavidade oral e pode entrar na corrente sanguínea até mesmo através da mastigação.

Isso não quer dizer que todas as pessoas com problemas de saúde oral terão a doença de Alzheimer, mas é mais um motivo para que haja um maior cuidado com a higienização da boca, não é mesmo? Várias outras doenças podem ser causadas por uma má higiene bucal.

Como a doença de Alzheimer afeta principalmente pessoas na faixa entre os 65 e os 74 anos, vale conferir também alguns cuidados especiais para os idosos.

Ficou clara a relação entre a doença periodontal e a doença de Alzheimer? Tem alguma dúvida ou opinião sobre o assunto? Deixe no espaço para comentários.

special care_post

Recent Posts

Leave a Comment