O que são as bactérias espiroqueta e como elas afetam a saúde de sua boca?

 em Para Dentistas, Profissionais da saúde

De nome inusitado, as bactérias espiroquetas têm aparência alongada finas e em forma de espiral. As principais espécies incluem a Borrelia, o Treponema, o Spirillum e a Leptospira.

A espécie de espiroqueta chamada Treponema dentícola faz parte do grupo de bactérias que vivem normalmente na nossa boca. Embora não seja considerada prejudicial, esta bactéria pode atuar na piora das doenças periodontais. E para que você entenda tudo sobre como a bactéria espiroqueta age na saúde da boca, preparamos um texto para responder todas as suas dúvidas. Confira:

O que é a periodontite grave?

A doença periodontal é caracterizada por uma infecção nos tecidos ao redor dos dentes, causada pelo acúmulo de bactérias, restos alimentares e saliva. A doença começa com uma gengivite (inflamação na gengiva) e a formação do tártaro. Se não tratada, a periodontite pode evoluir para periodontite grave, que acontece quando as bactérias migram abaixo da linha gengival para o tecido conjuntivo, que é onde os dentes se fixam aos ossos.

Como se contrai a periodontite grave?

A periodontite é causada pela má higiene bucal diária e a não realização de limpeza semestral nos dentes feita pelo dentista, formando a placa bacteriana que evolui para tártaro e gengivite.

Contrai-se a a periodontite grave pela ação de bactérias presentes nas bolsas periodontais (espaço entre dente e gengiva, formado pela perda de estruturas em volta dos dentes) acometidas pela gengivite.

Como as bactérias espiroquetas agem na doença periodontal grave?

Na forma grave, esta infecção pode destruir o tecido conjuntivo, causando danos no osso e culminando na queda dos dentes. A bactéria também pode afetar tecidos profundos e bolsas periodontais e, em casos extremos, podem chegar à corrente sanguínea provocando outras doenças que veremos adiante.

Quais os sintomas da periodontite grave?

Os sintomas da periodondite incluem:

  • Dor durante a escovação e ao passar o fio dental;

  • Sangramento intenso durante a escovação — que se torna ainda maior na passagem do fio dental, fazendo com que o paciente, muitas vezes, não queira mais passar o fio entre os dentes;

  • Ardor ao usar o enxaguante bucal;

  • Extrema sensibilidade a alimentos ácidos, gelados e quentes;

  • Sensação de amolecimento dos dentes;

  • Febre (em casos muito graves).

Qual o tratamento da periodontite grave?

Na periodontite grave, é necessário fazer um raspagem dental profunda nos dentes, na raiz e nos ossos do paciente. Geralmente, o tratamento é feito sob anestesia, para evitar dores.

O ambiente do consultório deve ser o mais limpo possível, o profissional deverá usar luvas, máscara, touca, propés (sapatilhas descartáveis que cobrem os calçados), roupa extremamente limpa, além de instrumentos esterilizados, já que há lesões na gengiva do paciente e o risco de infecção por bactérias que estão no ambiente é grande.

A remoção do tártaro é feita por ultrassom, aliada a instrumentos odontológicos. Alguns profissionais já usam laser para evitar dores excessivas e sangramento em demasia. Havendo inflamação severa com muito sangramento e infecção purulenta, o periodontista provavelmente irá receitar analgésicos (pra dor), anti-inflamatórios e antibióticos (para conter a infecção) visando o restabelecimento da saúde da boca do paciente.

Quais os cuidados necessários com relação à doença?

Quando a periodontite já chegou à forma grave, deve-se tomar precauções para evitar a perda de muitos dentes e a invasão da corrente sanguínea pelas bactérias. A endocardite bacteriana, por exemplo, é uma complicação muito grave da periodontite.

Na endocardite bacteriana, as bactérias alojadas nas bolsas periodontais atingem a circulação e se alojam nas válvulas cardíacas, comprometendo a circulação sanguínea e o funcionamento do coração.

Em casos extremos, as bactérias podem chegar à corrente sanguínea provocando septicemia, que é a popular infecção generalizada que pode causar a morte. Pessoas com imunidade muito baixa estão mais propensas a atingir tal estágio.

Agora que você entendeu a seriedade da doença periodontal com envolvimento com a bactéria espiroqueta, que tal complementar sua leitura com o nosso artigo sobre a raspagem dentária?

 

Publicações recentes

Deixe um comentário