Os tipos mais comuns de próteses dentárias

 In Implantes Dentários, Para idosos, Público em geral

As causas de perdas de dente são diversas, mas as mais comuns são por doenças gengivais, devido à má higiene bucal, ou por cáries. Sem dentes, a deglutição e a fonética ficam prejudicadas. Além disso, o efeito desse problema na estética do paciente pode provocar baixa autoestima e distúrbios psicossociais.

Os tipos de prótese mais indicados dependem da quantidade de dentes a serem repostos, da existência de algum apoio dentário, da estrutura óssea subjacente e das condições socioeconômicas do paciente. Mas, em geral, as próteses dentárias podem ser classificadas de acordo com o número de dentes repostos na arcada em parciais ou totais e de acordo com a mobilidade em móveis ou fixas.

Descubra, a seguir, os tipos de próteses dentárias mais comuns!

Coroa dentária

A coroa dentária é um dos tipos de próteses parcialmente fixas, e é a escolha de tratamento quando há danos à coroa do dente, mas sua raiz encontra-se preservada.

Os materiais mais comuns nessas próteses dentárias são a cerâmica e a metalocerâmica, sendo que a primeira traz um melhor resultado estético e a segunda é mais resistente e mais indicada para substituição de dentes molares e pré-molares que sofrem com a mastigação.

A coroa pode ser composta de uma peça única, chamada de coroa de Richmond, ou de duas peças, um pino inserido na raiz e a coroa em si.

Ponte dentária

A ponte também é um tipo de prótese parcial fixa indicada quando há a perda de poucos dentes e utilizada com os dentes naturais remanescentes como ponto de fixação. Esses dentes de apoio precisam estar saudáveis e devem ser tratados previamente se necessário. Caso os dentes restantes não tenham a capacidade de servir de apoio, um implante dentário será o mais indicado.

Os dentes da prótese geralmente possuem um esqueleto metálico recoberto de cerâmica ou são feitos completamente de cerâmica.

Próteses dentárias em acrílico

Vulgarmente conhecidas como dentaduras, trata-se de uma prótese móvel que pode ser total ou parcial.

A prótese se assenta sobre a mucosa e a estrutura óssea-alveolar, dependendo, então, da existência dessa em bom estado, mas, a longo prazo, acaba por provocar a perda óssea, prejudicando o ajuste da prótese à boca. Seu uso é recomendado apenas como medida temporária até que próteses fixas sejam feitas, mas seu uso permanente acabou se tornando frequente devido ao menor custo.

Os dentes podem ser de dois tipos:

  • De acrílico, que são mais comuns e têm vida mais curta, com desgaste dos dentes e baixa qualidade estética;
  • ou de cerâmica, mais caros, mais duradouros e com um efeito estético superior, mas que aceleram ainda mais a perda óssea, o que prejudica a adaptação da prótese e prejudica sua função a longo prazo.

Prótese dentária esquelética

Essa prótese recebe esse nome devido ao seu suporte metálico, que se fixa aos dentes remanescentes e à mucosa. Ela praticamente não provoca a perda óssea-alveolar mas não é um dos tipos com melhor efeito estético, já que seus apoios metálicos, muitas vezes, ficam visíveis.

O seu custo e duração são intermediários quando comparados à dentadura e às próteses fixas.

Prótese removível flexível

Essas próteses dentárias podem ser feitas de diversos tipos de material como nylon, silicone ou vinil e, geralmente, são parciais.

Como o material utilizado é da cor da gengiva ou dos dentes são uma opção estética melhor do que as próteses esqueléticas. São consideradas mais confortáveis do que as próteses rígidas e causam menos alergias, mas são altamente associadas a aftas.

Embora sejam mais caras que as de acrílicos, as próteses removíveis flexíveis são mais baratas que as esqueléticas, sendo também resistentes a quedas, mas de difícil reparo.

Prótese fixa total

Pode ser utilizada em conjunto com os implantes dentários, o que é mais comum, mas também sobre raízes saudáveis. Os implantes, de quatro a oito, são inserido cirurgicamente na arcada dentária, substituindo as raízes, e sob eles são fixadas a prótese em si, seja por cimento ou parafusos, constituindo uma dentadura fixa.

É a solução mais duradoura, eficiente e com o melhor resultado estético nos casos de próteses totais, mas seu uso é limitado devido ao alto custo. Há também as próteses dentárias semifixas, ou overdentures, que se fixam em menos pinos, podem ser removidas para a limpeza e garantem um resultado estético semelhante às fixas por um custo menor.

Ao escolher a prótese mais adequada para o paciente, é importante observar fatores diversos, desde o estado geral dos dentes e da estrutura óssea às condições financeiras para que a melhor solução possa ser recomendada e o melhor resultado estético possível atingido.

A orientação após a colocação da prótese também é essencial, recomendando-se um acompanhamento odontológico regular para evitar a perda de mais dentes, com prevenção de doenças periodontais e a orientação do paciente quanto à realização da higiene adequada da prótese com escovas interdentais e passa-fios para garantir sua maior durabilidade.

Que tipo de prótese você recomenda aos seus pacientes com mais frequência? Quais são suas queixas e elogios com relação a cada uma delas? Compartilhe conosco nos comentários!

Recent Posts

Leave a Comment