Qual enxaguante bucal devo usar?

 In Público em geral

Com a promessa de hálito fresco e proteção contra as cáries, os enxaguantes bucais conquistam cada vez mais consumidores. A demanda aumentou tanto que, nos últimos anos, o mercado diversificou os produtos e, hoje, é possível encontrar uma enorme variedade de enxaguantes ao caminhar pelos corredores de farmácias e supermercados.

Atualmente há os enxaguantes que combatem a halitose, a gengivite e a formação de placas. Além disso, existem até os produtos inovadores que garantem clarear os dentes, oferecem proteção duradoura ou são específicos para o uso noturno. Sabores como menta e hortelã são os mais populares, mas também não faltam opções nesse sentido.

O que fazer então diante de tantas possibilidades? Como escolher o enxaguante ideal para você? Continue lendo o nosso artigo, confira os tipos de enxaguantes e descubra qual deles você deve usar.

Antisséptico

Os enxaguantes antissépticos são perfeitos para quem deseja combater o mau hálito, pois apresentam uma maior sensação de refrescância. Vale destacar que para eliminar a halitose, não adianta apenas usar o enxaguante bucal. É preciso caprichar na escovação dos dentes e da língua, bem como usar o fio dental. Se esse processo não for realizado, o enxaguante apenas mascara o mau hálito, mas o efeito não é eficiente e nem duradouro. É como usar um perfume sem tomar banho!

Com álcool

Os enxaguantes que possuem álcool na composição podem deixar os dentes mais porosos, além de ressecar e provocar a descamação da mucosa. Além disso, o álcool pode eliminar as bactérias ‘do bem’ presentes na boca, o que dificulta o controle da acidez bucal e atrapalha diretamente nos processos de digestão.

Nesse caso, o ideal é alternar os dias de uso dos enxaguantes com álcool. Nada de usar esse tipo de produto três vezes por dia! Intercale com enxaguantes mais suaves para garantir a saúde bucal.

Com flúor

Esses são clássicos! Os enxaguantes com flúor são recomendados para uso diário, sendo úteis principalmente na parte da noite, período em que as bactérias oportunistas atacam e se instalam na superfície dos dentes, provocando cáries e problemas gengivais. Pessoas com gengivites e sangramentos devem fazer uso desse tipo de enxaguante, pois ele é mais suave do que os antissépticos. Ainda assim, é importante ter orientação odontológica!

Dicas extras para escolher o enxaguante bucal

  • Converse com o seu dentista para descobrir qual enxaguante complementará melhor a sua higiene bucal.
  • Crianças muito pequenas não devem usar enxaguantes, pois correm o risco de engolir o produto, além de o excesso de flúor causar manchas e fragilizar os dentes em formação.
  • Se usado da maneira correta, o enxaguante é extremamente benéfico. Diferentemente do que se propaga por aí, não há nenhuma comprovação científica que relacione esse produto à ocorrência de câncer de boca ou faringe. Sendo assim, não precisa ter medo!
  • O enxaguante bucal (sozinho) não é capaz de prevenir a placa bacteriana, a cárie, problemas gengivais e o tártaro. Para evitar esses problemas a saída é uma higiene bucal completa.
  • A clorexidina presente em alguns enxaguantes é uma substância útil nos processos de inflamação gengival, pois estimula a regeneração dos tecidos da gengiva. O uso não pode passar de duas semanas para não manchar os dentes e nem provocar a diminuição do paladar. Não é indicada para combater o mau-hálito.

Agora ficou mais fácil escolher o enxaguante perfeito para você, não é? Atente-se às nossas dicas e muito cuidado na hora de tomar a decisão. A sua saúde bucal agradece!

Recent Posts

Leave a Comment