Um cisto na boca pode se transformar em algo mais grave?

 em Público em geral

Lesões e deformações nas estruturas da boca podem ter causas variadas — desde o uso incorreto da escova de dente até razões mais complexas, como a formação de um cisto ou mesmo um câncer de boca.

Por isso, qualquer anomalia que se perceba na boca ou nos dentes deve ser avaliada por um dentista. O diagnóstico precoce é de extrema importância para a correção dos maus hábitos e para a eficácia do tratamento, quando ele for necessário.

Neste post, vamos esclarecer se um cisto na boca pode se transformar em algo mais grave e explicar como identificar os sintomas de um câncer. Confira!

Quando um cisto na boca pode se transformar em algo mais grave?

Os cistos e/ou tumores odontogênicos são aqueles que acometem a maxila e a mandíbula e têm relação direta com os dentes. Eles são de crescimento lento e indolor, o que dificulta que a pessoa perceba o problema.

Os tumores odontogênicos não devem ser confundidos com câncer de boca. Eles são benignos, mas, ainda assim, sem um diagnóstico precoce, podem comprometer seriamente a saúde da boca.

Cistos muito grandes vão provocar a expansão dos ossos maxilares, movimentar e reabsorver as raízes dos dentes à sua volta e causar perda óssea, o que pode resultar em fraturas e na necessidade de extração dos dentes.

É o olhar treinado do dentista que poderá identificar um cisto ou os tumores odontogênicos ainda em seus estágios iniciais. Esse diagnóstico é feito por meio do exame clínico com o auxílio de radiografias e ultrassonografias que permitam analisar o interior das estruturas ósseas e musculares da maxila e da mandíbula.

O tratamento dos tumores é cirúrgico e tem bom prognóstico, embora possam reaparecer por não serem protegidos por cápsulas que garantam sua total remoção durante a cirurgia.

O que é o câncer de boca?

Ao contrário dos tumores odontogênicos que se concentram na maxila e na mandíbula, o câncer de boca pode acometer os lábios (com maior predominância nos lábios inferiores), a parte interna da boca, as amígdalas, as glândulas salivares e a parte posterior da garganta.

Os primeiros sinais da doença são de difícil percepção, o que torna seu prognóstico bem negativo, com taxas de sobrevida de apenas cinco anos. O tratamento é feito com cirurgia, quimioterapia e radioterapia, e o diagnóstico precoce é imprescindível para seu sucesso.

É uma doença que acomete mais homens do que mulheres, normalmente a partir dos 40 anos. O tabagismo e o uso excessivo do álcool, aliados a uma má higiene bucal, são fatores de alto risco para o desenvolvimento do câncer de boca — de 80% a 90% dos cânceres bucais têm relação com o cigarro.

Como identificar o câncer de boca

Como dissemos, os primeiros sinais de câncer de boca são de difícil percepção. Mas se você tiver qualquer um dos seguintes sintomas, procure seu dentista:

  • feridas na boca com sangramento e que são de difícil cicatrização;
  • inchaço ou caroço na língua e bochecha;
  • manchas brancas ou vermelhas, dormência ou perda de sensibilidade em qualquer parte da boca;
  • dificuldade para mastigar e engolir;
  • alteração na voz;
  • dores na garganta sem motivo aparente ou a sensação de algo preso nessa região;
  • inchaços que impedem a correta adaptação de próteses, como a dentadura.

Manter em dia suas consultas ao dentista é de extrema importância para evitar que um cisto na boca se transforme em problemas mais sérios e também para garantir um diagnóstico precoce, além de preservar sua saúde bucal como um todo.

Se você quiser saber mais sobre os tipos de cisto bucal e como é feito seu tratamento, não deixe de ler nosso texto sobre cisto de boca: como identificar e tratar esse problema!

Publicações recentes

Deixe um comentário